Current track

Title

Artist

Current show

Current show

Background

GRANDEZAS

Written by em 18 de fevereiro de 2020

Não assisti ao Grenal. Somos de uma família predominantemente Tricolor, mas não apreciamos o “misturar as coisas”.

Assim, mesmo com a possibilidade de acompanhar em nosso estabelecimento comercial, optamos por deixar a televisão desligada.
Nosso protocolo sempre foi esse, e até pra evitar futuras cobranças dos xaropes plantonistas, não abrimos mão dele.

Na segunda-feira, tirei um tempo pra ver o VT da partida. Não vi o mesmo jogo que viu a IVI, que chegou a dizer que o ex-tradicional-rival nos “amassou” no segundo tempo. Nada disso. Ataques aleatórios e desesperados, motivados sobretudo pelo acerto forçado da mecânica de jogo, após a expulsão de um cidadão que 80% atrapalha o time, e os outros 20% também.

Musto é um Bolatti que não jogou Copa do Mundo. Aliás, não lembro de tê-lo visto na seleção. Aliás, tirando meia temporada boa pelo glorioso Rosário Central, não lembro de mais nada a seu respeito. Só o que sei é que ostenta mais de 200 cartões na carreira. Bela marca.

Mas quero falar do Grêmio. Em especial, duas figuras.
Primeiro, Vanderlei. O atual co-irmão não é parâmetro, sei. Mas clássico sempre possui uma atmosfera diferente. E Vanderlei, criticado em alguns momentos da temporada (que recém se iniciou, e esses críticos não entendem quanto custa um recondicionamento físico), não tremeu. Pelo contrário, vi intervenções firmes, seguras, de imposição, de enquadramento com a equipe. Vi a personalidade que cansei de ver outrora nesse mesmo Vanderlei, e que parece ter rebrotado nesse jogo, que queira-se ou não, pode nos dar a tranquilidade pra sequência da Libertadores, algo que já não é realidade pro E-T-R.

E Diego Souza. Como eu torci pelo Diego. Como eu queria que ele chegasse arrebentando. Três jogos, três gols. Meteu o do Grenal. Na casa deles. Um cara que tem gol pelo Grêmio no Olímpico, na Arena, nos escombros do Bêra e no Bêra remendado. E tudo isso em um ano e mais três partidas. É mole?

Meteu gol em Grenal nas duas passagens. E o Guerrero? Sei lá. A IVI da Ipiranga finalmente passou a cogitar uma análise a respeito do “porquê da queda de rendimento do Guerreiro”. Não é difícil a resposta. Escrevi quando ele chegou, e aquela meia dúzia de gols contra times de bairro não mudaram minha opinião: é ex jogador.

Não é questão de idade. Todos sabemos quais as razões.
Vanderlei e Diego Souza vão na absoluta contramão. O primeiro, quando estiver com o ritmo de jogo em sua plenitude, calará muitos dos críticos. E o segundo, já deu seu cartão de visitas. Basta manter, e já mostrou que gana pra isso não falta.

Mas há algo que me diverte mais do que isso. Ambos mataram de cara o primeiro argumento que os amargos poderiam usar como defesa.
Ou algum deles se arriscará a perguntar “fechou o gol contra quem?”, “fez gol contra quem?”.

Enquanto isso, o Guerreiro, o Musto, o “CûDê”, O “DhallY”…
O salão de festas continua a mil. E a disparidade é tanta, que nem os alto-falantes chegaram perto de abafar nosso alento. A torcida deu show, em todos os sentidos, e cada um dos vídeos e relatos que tive o prazer de ver, ouvir, me deliciar…mostraram mais uma vez a realidade sempre ignorada pela IVI: Não há como comparar ou equiparar.

Grandeza não se mede em 4 anos. Grande é grande. O resto, é recalque de perdedor.

FOTO: LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA


Reader's opinions

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *



Continue reading

Next post

#AnoDoGrêmio


Thumbnail
Previous post

VITÓRIA


Thumbnail