VITÓRIA

Escrito por em 5 de abril de 2021

Como diria o filósofo Paulinho Gogó, vencer Grenal sempre é bom (não vou dizer qual é o ditado original pra não enrubescer os leitores da Rádio Hospício). Mesmo que seja num torneio que não vale nada. Mesmo que atrapalhe a preparação para a Liberta, que vai ser jogada essa quarta. Um a zero, gol no fim de um jogador que anos atrás brigava na rua pelo time. Não tem como ser melhor.

Nesse calendário maluco o time não teve tempo de se reforçar. Jogou a final da Copa do Brasil e daí já emendou a pré Libertadores e o Gauchão, sem intervalos. Deu tempo de fazer uma limpa, dispensar (e encostar) vários jogadores que não vinham rendendo e subir vários meninos da base… que deram conta do recado. Quatro quintos da defesa veio de lá, assim como os meias que entraram e deram uma canseira na defesa adversária. E quem sobrou no time se esforçou muito, pois sentiu que se não jogar dança. Mesmo quem não jogou grande coisa (como Allison, nossa usina atômica pra acender um palito de fósforo) correu feito louco. E isso fez a diferença. Por exemplo: Matheus Henrique, principalmente depois da entrada de Darlan, voltou a ser o MH do ano passado, não o cavalo cansado das finais da Copa do Brasil.

O time fez um jogo seguro. Deu a bola pro colorado e ficou atrás, esperando. Os festejados (pelos suspeitos de sempre da IVI) vermelhos só tiveram duas chances reais de gol, um chute de Praxedes (muito bem defendido por Brenno) e um lance que o zagueiro saiu driblando na área e chutou pra fora. Já o Grêmio… atacou pouco, mas sempre com perigo. Sempre esteve mais perto do gol… e foi premiado no fim, pelo tirambaço de Léo Chu. Menos mal. Que o time pegue confiança e consiga a vaga na Liberta. Um objetivo de cada vez.
FOTO: LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA


Música tocando

Título

Artista

Programa atual

Programa atual

Background